Atenção!

"(...) apesar de ter mergulhado de cabeça nesse misterioso mundo das lesões neurológicas e suas possíveis consequências, não sou médica. Tudo o que coloco aqui são impressões e experiências pessoais. (...) Enfim, não sou uma profissional da saúde, apenas uma mãe muito, muito, muito esforçada em início de carreira".



sábado, 22 de outubro de 2011

Vida que Segue

Oi pitoco,

nossa vidinha aqui segue sem grandes mudanças. O que, nesse caso, é bom. Significa que continuamos sem complicações e nos adaptando cada vez mais a sua segunda forma de comer. E, olha, não sei se você já ganhou algum peso significativo, mas a energia, claramente, está mais presente. A ponto deu voltar até a te dar as bolinhas de homeopatia com ação calmante que você tomava quando bebê. É que, agora cheio de disposição, você não pára um minuto de tentar fazer as coisas e frequentemente se irrita por não conseguir exatamente como quer. Acho que isso está gerando uma certa ansiedade, porque você chega até a espumar um pouquinho pela boca. Não sei ainda o quanto isso pode ser preocupante. Mas não vou pensar nisso agora. Acho que ainda tem muita coisa pra acontecer que pode te ajudar. Como, por exemplo, voltar à rotina de terapias, onde acredito que você vai voltar a ganhar mais qualidade de movimentos. E o dia também ficará mais bem preenchido, ajudando a conter momentos de tédio em que você fica preso em casa.

Ah sim, ontem, rolaram uns momentinhos de tensão, mas foi rápido. Era noite já, tia Carmem já tinha ido embora e estava eu e seu pai dando a última dieta. Num dado momento lá, o troço empacou. Nada de descer. Sobe sonda, abaixa a sonda, tira a seringa, faz pressão na seringa e nada... mamãe já preocupada com a possibilidade de entupimento e tal, quando seu pai resolveu mexer em você em vez de na sonda. Te colocou pra frente, pra trás, pro lado... até que começou a voltar um pouquinho de dieta lá de dentro e, aí, quando subi a seringa, voltou a descer. Ufa! Não sabemos exatamente o que aconteceu, mas para o papai sabe tudo a entrada da sonda lá dentro de você devia estar encostada em alguma parede muscular. Sei lá...

Fora isso, tem sido tudo bem calmo. Eu já confio bastante em mim mesma e na tia Carmem e tia Janete. Não tenho mais nenhum tipo de medo ou insegurança de como elas ou eu iremos proceder na hora da dieta. E isso tem me dado uma certa independência. Tenho conseguido sair de casa um pouco para ir fazer minha drenagem; na consulta da obstetra; e até dar um pulo ali no Rio Sul para comprar umas roupinhas de colchetes pra você. E isso sem ligar pra casa.

O auge foi ontem, quando saí para uma reunião de trabalho! Sim, o clima e as coisas estão indo tão bem que a mamãe conseguiu até considerar a possibilidade de pegar um freela para fazer um roteiro de um vídeo institucional. Pode? Quando é que, naqueles dias tão sofridos antes de saber como seria o pós-cirúrgico, eu iria imaginar que seria possível até dar uma trabalhada em casa?! Mas está sendo. Tudo indica que vou fazer mesmo. Dependemos só de aprovação de orçamento. Foi algo totalmente inesperado, mas que acabou me deixando bem feliz. Primeiro por ver que ainda não fui esquecida pelo mercado de produtoras independentes e segundo porque será uma forma de espairecer, relaxar. O trabalho pode ser bem relaxante quando passamos por momentos difíceis. Enfim, se rolar mesmo, vai ser ótimo. Afinal, estou parada há um bom tempo. Vai ser bom até para eu voltar a me valorizar nesse campo. Bom para a auto-estima, para a cabeça. Quando você crescer, vai entender melhor do que a mamãe está falando.

É isso, meu amor. Ah! Quero deixar registrado também que você não é mais uma criança que sofre de prisão de ventre. Está quase um reloginho! Mais um benefício que a gastro trouxe para as nossas vidas. O que mostra que a sua pseudo prisão de ventre era nada mais, nada menos que falta de volume e massa fecal, pela pouca ingestão de alimentos.

Beijo, perereco!

abaixo, um vídeo mostrando o quanto você está voltando cada vez mais a ser você!
video

2 comentários:

  1. Olá menino grande, que bom que vc e a mamãe estão se adaptando bem a essa fase do pós-operatório, acho que a ajuda das tias Janete e Carmem foi uma grande sacada da sua mãe no sentido de trazer tranquilidade nessa fase de adaptação. Quanto a sua ansiedade, era de se esperar, não é à toa que volta e meia te chamamos de perereco, pq vc não para quieto, é sinal de que está recuperando sua energia habitual e isso é ótimo, a parte ruim é que ainda não pode dar vazão a ela. Mas daqui a pouco vc vai voltar a sua rotina de exercícios e tudo vai voltar ao normal. Outra coisa boa é esse trabalho que a mamãe arranjou, vai ser muito bom pra ela. É isso aí, meu querido, vamo que vamo como era antes, lembra? A vovó quase chorou e ficou muito feliz de te ver no video, dando seus passinhos e chutando a bola outra vez, com a ajuda do papai. Bj grande.

    ResponderExcluir
  2. Eu não tinha visto direito, vc tá chutando a bola não é com a ajuda do papai, acho que é com a tia Carmem. Bj

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós!