Atenção!

"(...) apesar de ter mergulhado de cabeça nesse misterioso mundo das lesões neurológicas e suas possíveis consequências, não sou médica. Tudo o que coloco aqui são impressões e experiências pessoais. (...) Enfim, não sou uma profissional da saúde, apenas uma mãe muito, muito, muito esforçada em início de carreira".



terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Suporte

familiar, acima de tudo. Já falei e agradeci aqui muitas vezes, mas nunca é demais frisar o quanto o apoio e a aceitação da família é importante no caso de um filho especial.

Nossa, sei de tantas histórias em que o cenário não é assim... Um companheiro de luta, como seu papai, Antonio, já falei trezentas vezes é uma benção. Mas indo mais além, o carinho das suas vovós e vovôs, o coração aberto das suas tias e tios, madrinha e padrinho e todos os agregados é uma tremenda alegria. Olha, até os familiares mais distantes sempre se comportaram e se mostraram muito atensiosos com a gente. Tenho até medo de quando acontecer de termos que encarar o preconceito porque decididamente não estamos acostumados a ele.

Bom, claro que tenho várias teorias para explicar nossa sorte até aqui. A primeira delas é total mérito seu: pois acho que você, independente de qualquer limitação física ou intelectual, é tremendamente carismático. E isso ninguém ensina. É seu. O que eu acho é que essa característica nata caiu como uma luva para a realidade que vivemos e que você enfrenta e ainda vai enfrentar.

A segunda puxa a sardinha para o meu lado e do seu pai. É que eu tenho certeza que a forma como decidimos te amar, te assumir e o modo como nos posicionamos diante de toda a situação também influi muito no comportamento de terceiros. Nunca nos fizemos de coitadinhos e sempre preferimos exaltar as coisas boas e positivas que acontecem com você. Não que a gente esconda as ruins, mas não as valorizamos muito para espantar as nuvens negras o mais rápido possível. E isso acaba por contagiar quem está a nossa volta. Se ficássemos nos lamentando por aí, obviamente seríamos dignos de pena. Mas escolhemos ser alvo e referência de força, garra e coragem.

E a terceira teoria é que o povo que nos cerca é nota mil mesmo e devidamente evoluído e bom de corpo e espírito.

Eu poderia ficar aqui falando de um por um até amanhã. Hoje mesmo foi muito legal lá na casa da vovó Tella ver o namorado da dinda suar a camisa e machucar a coluna para fazer com você o que você mais gosta: te colocar para andar, te segurando pelo tronco ou pelas axilas. O que é legal é ver a boa vontade e a vontade de aprender que surge de forma genuína nessas pessoas novas no nosso convívio. Tem gente que pega o jeito mais rápido, como no caso dele, outras que ficam mais receosas e com medo, mas todo mundo sempre quer tentar. E isso me deixa muito feliz. Porque seria muito mais fácil não se envolver, ficar quietos no canto deles. Mas é muito difícil cruzarmos com alguém que não queira te pegar no colo, que não queira tentar te colocar sentado pra brincar, que não tente pelo menos brincar com você enquanto você está no meu colo. E, todos, sem exceção, ficam encantados com o seu sorriso, com a sua empolgação e vontade de fazer e acontecer. É bonito de se ver, viu. Essa relação que nasce desajeitada, mas que sobrevive e engrena pela vontade de ambas as partes.

Enfim, como falei dava para destacar muitas situações, mas o que me inspirou para vir aqui hoje foi uma tarde de brincadeiras com o seu primo Tutu. É que sempre me chamou atenção o fato dele nunca ter te deixado de lado, renegado ou estranhado. Veja bem, filho, criança é tudo de bom, mas até pela falta de freio, pode ser bastante cruel também. Por isso, eu não me espantaria se o seu primo de 5 anos não gostasse de brincar com você ou tivesse um pouco de distanciamento por ver que você é diferente. Ainda mais o Arthur que é uma espoleta, não pára quieto, é hiper esperto, fala pelos cotovelos... Concorda que se ele achasse chato brincar com você que não consegue fazer quase nada, não fala e não corre, seria até compreensível?

Mas incrivelmente, e eu não sei te dizer porque, ele sempre te acolheu. Nunca te ignorou e do jeito que pode sempre interaje, brinca e tenta obter de você uma resposta. Seja ela qual for. Outra coisa curiosa é que ele nunca havia perguntado nada a seu respeito até depois da cirurgia quando nos viu te alimentando pelo botton. Também, aí foi demais... Mas, olha, foi perguntar uma vez, ouvir a explicação e nunca mais tocar no assunto seguindo a vida exatamente como ele fazia e agia com você antes. Sempre esperei que ele me perguntasse por que você não anda, não fala, é tão molinho... Mas as perguntas ainda não vieram. Sei que a tia Cris não o proibiu de fazê-las. Então é porque ele te acha 'normal' a seu jeito e não se incomoda com isso. E acho que isso acontece justamente pelo ambiente, pelo clima a sua volta na nossa vida em família que sempre foi muito natural e aberto. O fato de nunca te escondermos, nunca fazermos nada com você escondido ou não ficarmos melindrados tornou você pra ele e para nós apenas mais um na nossa multidão de 8 ou 9.

Mas a tal situação que originou o post de hoje foi vocês dois brincando de pega com a ajuda de mais duas excelentes compras que fizemos na última leva da Amazon: são suportes para ajudar a criança que está quase andando a andar sem medo. Um deles pega desde lá debaixo no quadril, como uma fralda, até a cintura mais ou menos. E o outro é para a parte superior, na altura do peito. Não são uma coisa só, são independentes e não foram pensados para usar juntos. Mas nós quando os vimos, imediatamente, pensamos que poderiam ser complementares e servir muito bem para você, dando um descanso para as nossas colunas e braços. Estávamos certíssimos, vide o vídeo abaixo.


video

Acho que esses suportes nos ajudarão muito, filhote, e te deixarão bem feliz. A você e a nós que explodimos de emoção e alegria ao te ver tão satisfeito andando e até ensaiando a correr por aí.

Brigada Tutu pela naturalidade do seu relacionamento com o primico. Brigada Cris por ter criado um menino tão esperto e sabido. E, por fim, obrigada a todos que se aventuram a se aventurar com o nosso Antonio Pedro. Vocês, como nós, são para ele o que esse menino mais precisa, um verdadeiro suporte. Físico e emocional. Palavras nunca serão suficientes para expressar minha gratidão.


















obs: farei um post específico com fotos, informaçoes e links sobre as compras da Amazon.

2 comentários:

  1. Dri,nós todos é que agradecemos poder conviver com um garotão tão bacana, tão forte, tão determinado mesmo com a pouca idade, e, principalmente, com uma família que é exemplo de vida para todos nós! Estar com AP é muito mais importante para a gente do que vc pode imaginar...fora que ele é uma delícia cremosa, muito amado e querido! Beijo grande para os 4 Matos! Tia Paula & Tio Jander

    ResponderExcluir
  2. Antônio Pedro,
    É impossível não se apaixonar por você. Nunca vi uma criança tão linda, simpática e meiga, na vida! Ser especial é diferente sim, mas o próprio nome (especial) já diz tudo. Você pode não conseguir fazer os movimentos corretamente e por conta própria, ainda, mas acredite fez muito mais do que pode imaginar, por muitos a sua volta. Cada pessoa que te conhece não consegue resistir e leva com ela uma alegria inexplicável ao te dar tchau.
    Para você ter uma ideia, uma vez a vovó tela te trouxe aqui no meu trabalho, todas as pessoas voaram em cima de você, queriam te segurar, apertar, beijar... Até hoje me perguntam quando você vai aparecer por aqui de novo, rs!
    A dinda te ama muito, até o cheirinho da sua baba!
    Marina, não fique com ciúmes não, tá? Sua beleza e simpatia também são indescritíveis e nada se compara ao seu cheirinho e o seu meio sorriso quando a gente canta pra te ninar, rs!
    Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós!